Um miado triste

Hoje de manhã, quando eu estava descendo para terminar de me arrumar, vi uma cena que me deixou de coração partido. Antes de ver, ouvi: Era um miado triste, choroso, quase agoniado. E antes de ver eu supus a quem pertencesse: Não a um de meus gatos, mas ao gato de rua que apareceu há um tempo por aí.

A minha rua não é uma daquelas que têm colônias de gatos abandonados, como era a da nossa casa anterior. Nessa, normalmente, se aparece algum gato, ou achamos o dono, devolvemos, e damos um sermão (infelizmente, o sermão nem sempre funciona de verdade – já teve gente que deixou gato cair da janela, que deixou o gato sair e ele foi atropelado…) ou alguém da rua acaba adotando. Só que as casas da rua, todas, receberam gatos novos nos últimos tempos. Um vizinho que não tinha gato adotou uma filhotinha de siamês; a da frente pegou uma branca, surda e muito bagunceira, nós pegamos o Ronron, nosso quinto gato… Cinco é a média de animais de quem realmente gosta de bicho lá na rua… E ninguém parece ter condições de acolher o gato que está na rua.

Ele interage com meus gatos pelas janelas ou de cima do telhado do quintal dos fundos (que é telado) Meus gatos ficam encarando o gato sem dono, mas não se mostram particularmente ariscos, como normalmente eles fazem. E as partes brancas do gatinho sem dono estão cinza opaco, de tanta sujeira, enquanto meus gatos que não são totalmente pretos têm as partes brancas bem branquinhas mesmo. O gato de rua é um gatinho de black-tie, um frajolinha. Parece bastante com o By e com a Éowyn, e, se a Éowyn que era muito feinha quando era uma gata de rua ficou super fofa quando começou a ser bem cuidada, ele, ou ela, pois não sabemos o sexo, também ficará um charme Os pelos dele parecem longos, e devem ficar bem macios depois de limpos, bem cuidados, e com ele tendo comida de qualidade.

Mas quem dará uma chance a um frajolinha completamente comum, que está todo sujo e abandonado na rua, vindo de não se sabe onde? Esse é um dos tipos de gato mais comuns, um dos últimos a ser adotados num abrigo.

Eu estou morrendo de dó. Queria muito ter condições de cuidar desse bichinho que parece doce e amistoso. E que provavelmente é uma criatura inocente que está na rua por causa de um ser humano irresponsável, nem entende porque está ali. É triste, sabe? Ainda estou com aquele miadinho na cabeça. Aquele pedido, de carinho, atenção, comida, socorro. Um pedido triste, de quem não tem muita esperança.

É muito triste não poder fazer nada.

Anúncios

1 comentário (+adicionar seu?)

  1. Héliton Junior
    fev 23, 2013 @ 21:37:56

    In time: Minha sogra resolveu alimentar o bichano, e embora ele ainda esteja muito arisco, já se aproxima mais da gente. As feridas dele parecem estar se curando, e como ele não precisa mais brigar por comida, não tem aparecido com feridas novas. Até a cor do pelo está diferente, e sabemos que é macho mesmo, porque já da pra ver as bolinhas dele.

    Resposta

Comente!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Selinho

%d blogueiros gostam disto: