Inferno Astral dia 02: Dispersão

Hoje, estive dispersa o dia inteiro. Fiquei melhor nas coisas que tinha que fazer longe do computador, que nas coisas que tinha que fazer no computador. Achei um cabelo branco, o primeiro realmente sério – até que eles demoraram. Almocei pizza de ontem. Terminei uma página de scrap que estava parada. Meu kit digital não evoluiu muito – tenho dois dias para terminar.

Para mostrar que, apesar dos BRs idiotas tem muito brasileiro bacana, achei essa notícia na internet:

http://g1.globo.com/turismo-e-viagem/noticia/2013/05/casal-de-brasileiros-viaja-pela-asia-com-gato-de-rua-que-adotou-no-laos.html

Ah, e terminei de ler um infantojuvenil da Rosana Rios que havia começado ontem: Game Over – Uma ameaça virtual. É bem bacaninha, destinado a um público de pré-adolescentes. Se eu ainda desse aula, recomendaria aos meus alunos nessa faixa etária. Cheio de citações a coisas variadas, e os personagens tem nomes baseados na saga arturiana. Achei legal ter uma menina que é boa nos video-games na história. Quem sabe a Rosana não queira escrever um livro com ela como protagonista depois? Vou dar essa sugestão a ela…

Anúncios

Cat Engeneers

Cansado de vídeos tradicionais de gatinhos que você encontra aos montes no YouTube e mostram somente um gato sendo fofo (ou seja, sempre) ou aprontando (ou seja, item rotineiro realizado algumas vezes por dia)? Quer ver gatos quietinhos e seres humanos aprontando, com eles, mas com muito carinho, abraços e beijinhos? Dê uma olhada no canal dos Cat Engeneers. Eles colocam fantasias nos gatos, fazem videos com (d)efeitos especiais (toscos de propósito – e tem alguns making offs no you tube também), piadas nerds (tem um episódio em que eles fazem uma paródia felina a um pedaço de Monty Pyton e o Cálice sagrado!) e muitas outras coisas engraçadas. Não sei se algum vídeo deles foi legendado para o português ou não, pois eu vi tudo em inglês.

Com vocês, “an engeneer´s guide to cats”

“Se você tem um gato, você é só um cara que tem um gato.  Se você tem dois gatos, bem, os dois gatos são amigos, então eles fazem compania um para o outro. Qunado você tem três gatos, você começa a ser aquele cara, que tem todos aqueles gatos…” – diz o vídeo

E qual é a categoria daquele cara que tem cinco gatos?????

Kitty doesn´t like

Uma amiga me mandou esse vídeo no YouTube e eu adorei a música! Um herdeiro à altura de The Mean Kitty song, com um rítmo que é uma delícia. O gato falando é bem esquisito, mas a música vale à pena!

Ok que esse gato (chama Sylvester, se eu entendi bem) não parece mais um “kitty”, mas um gato adulto, se bem que parece que muita gente dos Estados Unidos tem se referido a todos os gatos fofos e queridos como “kitty” e não como “cat”.

Ah, e, é claro: Um cara que vive com dois gatos e um cachorro de grande porte deve ser boa pessoa :p

Rorouni Kenshin – O Filme

Assistimos hoje o Live Action de Rurouni Kenshin – As Cronicas de um Samurai na Era Meiji. O motivo disso eu explico no final.

O Filme é uma boa adaptação. Tiveram que rebolar um pouco para fazer o meio da história desenrolar, mas eu acredito que isso é coisa de Japonês. Os personagens estão fieis a sua essência, apenas no Sanosuke que ficou meio apagado, sem sentido no filme. Quase parece que ele só está ali, porque senão iam reclamar que o “anti-heroi” da série não aparece nela.

O plot perde o fio da meada no meio do filme, mas volta a se encontrar até o final. Afinal de contas, tiveram que condensar mais ou menos 10 a 15 capítulos do mangá em algumas poucas horas de filme. E ainda existem flashes da vida passada do Kenshin que não mostra realmente nessa parte do mangá.

Agora eis o motivo principal de eu ter assistido o filme:
DSCF6009
Conheçam Ronrony Kenshin! 😀

Curiosidades e fatos sobre gatinhos

 

Messy in the box

Messy, com cerca de 20 dias de vida

 

-Gatinhos recém-nascidos não conseguem reter a temperatura corporal. É esse um dos motivos pelos quais a mãe gata fica a maior parte do tempo com os filhotes, e eles deitam encostados nela. Gatinhos que perdem a mãe no parto precisam ser aquecidos por bolsas de água quente constantemente. Na verdade, o gato não é o melhor bicho para auto-regular a temperatura;  É sempre bom garantir que seu gato tem lugares bem quentinhos para se aquecer no frio, e algum lugar fresquinho no calor. Também é por isso que é comum ver diversos gatos dormindo juntos no inverno, mas isso pouco ocorre no verão.

-O ronronar e o patear (“amassar pãozinho”) são, originalmente ligados à primeira preocupação de um gatinho: A amamentação. Eles “amassam” a mãe para que o leite saia, e ronronam para comunicar à mãe que o leite está saindo e eles conseguem se alimentar. Por isso, esses dois comportamentos muito fofos muitas vezes acontecem associados no gato mais velho, e se o gato ronrona é, em geral, sinal de que ele está muito feliz e sentindo prazer. Alguns gatos, no entanto, ronronam para se acalmar ou quando estão muito irritados, embora seja menos comum.

-O gatinho começa a desmamar com 4 semanas de vida, costuma estar plenamente hábil a comer comidas sólidas à partir das 6 semanas. Caso um gatinho não esteja totalmente desmamado, hoje em dia existem alimentos de transição que você pode oferecer, e também leite artificial em latinha. Não é bom dar leite de vaca para gato, eles não são completamente capazes de digerí-lo. Comidas úmidas para gatos adultos muitas vezes dão diarréia em filhotes, então é sempre melhor usar um  alimento específico.

-Se um gatinho for desmamado precocemente, pode ser que eleja um objeto (por exemplo, um paninho ou cobertor) no qual ele simulará o ato de mamar por um longo tempo, ou até para o resto da vida. Uma das minhas gatas, a Messy, que devia ter cerca de 20 dias quando foi recolhida da rua e abrigada por nós, elegeu um cobertor meu para mamar, e o faz quase todas as noites, com o detalhe de que ela só pega o cobertor para mamar se eu estiver deitada em baixo. Se ela quer mamar e eu não estou deitada, ela me pede para deitar com ela.

-O primeiro cio de uma gata ocorre entre os três e os sete meses. O gatinho macho começa a ter comportamentos sexuais por volta do sexto mês, ou antes, se tiver contato com fêmeas no cio. Não é necessário esperar o primeiro cio para castrar um gato, e, na verdade, castrar as gatinhas antes do primeiro cio reduz a incidência de câncer no futuro. Eu também recomendo muito sinceramente castrar o gatinho filhote antes do primeiro cio não só pela possibilidade de que ele fuja/que a gata fique prenha/etc, mas porque gatas no cio e gatos machos não castrados em idade reprodutiva podem fazer xixi fora da caixa de areia, principalmente em cantos, perto da porta e algumas vezes em sapato. E o xixi que eles fazem para demarcar território é muito mais fedido que o xixi comum feito na caixa, e leva um tempão para tirar totalmente o cheiro. Além disso, se o gato macho pegar o hábito de fazer xixi fora da caixa para demarcar território, ou fugir para namorar, ele pode não perder esse hábito depois de castrado.

-Mais um argumento à favor da castração de gatinhos: Se um casal de gatos pode gerar cerca de 15 gatinhos por ano. só que imagine que desses 15 6 sejam fêmeas. Cada uma delas vai gerar mais 15 gatos por ano, que vai gerar mais 15 e assim por diante. Assim, num período de três anos, um gato e seus descendentes geram cerca de 890 gatinhos! Encontrar pessoas para doar 4 ou 5 gatinhos já é uma dificuldade danada, principalmente se eles forem dos tipos mais comuns, imagina esse tanto de gato!

O mundo felino é muito fascinante. Mas, por hoje, esse post acaba por aqui. Um outro dia eu escrevo mais sobre o assunto.

Baby Byako

byakko,com cerca de 1 mês de vida

Os gatos comem frutas

Sim, pode parecer um nome estranho para um post e para um habito pouco conhecido pelas pessoas, mas meus gatos pelo menos comem frutas.

A Messy hoje abriu um buraco enorme na manga que estava já a um tempo na geladeira. Bom, eu como “pai” (aquele que só estraga os filhos) deixei pra ver até onde ia. Em geral, algumas frutas não fazem bem para os gatos, a uva é uma delas, e é uma que a gente tem certeza pelo menos. No caso da manga era a primeira vez que eu via um gato comendo, então depois fiquei observando a gata, tudo normal. Ah sim, era manga pra fazer suco, depois de separado as partes boas, eu deixei o caroço no prato dos gatos para ela terminar de lamber.

Mas ela não é a única a fazer isso. O Byakko é louco por Pessego e Caqui, não pode sentir o cheiro (e ele sente o cheiro a milhas de distancia) que vem correndo e miando, agarrando a minha perna tentando alcançar a fruta. Eu tenho que comer e dar um pouco pra ele ao mesmo tempo, ou não consigo comer nada. Na verdade, o gordo aqui em casa não pode me ver comendo nada, que eu já tenho que mostrar pra ele o que é. Se ele sente o cheiro e não gosta, sorte a minha, mas se ele gosta, eu sou obrigado a dar um pouco, ou não consigo comer. Salvo as exceções de chocolate e outras coisas industrializadas que não damos de jeito nenhum para eles. Ai pode chorar ou arranhar que não ganha mesmo.

Os outros gatos não se interessam muito por frutas, mas a Messy e o Byakko são fãs. Comprei melão hoje na feira, e sei que quando eu abrir, os 2 vão brigar pra ver quem lambe o resto que sobrou na casca.

Mimimi de menininha #3

menininha

Eu acabei de matar uma barata. Yay!

Ok, meu coração ainda está acelerado, eu ainda estou um pouco apavorada. Mas eu matei uma barata, das bem grandes. Eu sou daquele tipo de mulher que grita, sobe na cadeira, e sai correndo com baratas. Então, isso, de certo modo, pode ser um avanço.

Eu abri a porta de serviço, com Éowyn Cat e Ronny Peppers aos meus pés, com uma pilha de roupa suja para lavar nas mãos. E ela estava lá, virada de pernas para o ar, mas se mexendo. Eu comecei a gritar pelo Chronos e, enquanto pedia socorro, e um instinto dizia “corra Lozinha, corra” e outro dizia “não, os gatos, eu não quero que o Ronron e a Fofinha comam a barata, ou, pior, levem a barata dilacerada para casa”.

A minha mente se focou nas cenas horríveis com gatos e barata gigante, então eu tentava desesperadamente afastar os feinos. Tirava um, tirava outro,  mas não consegui segurá-los por muito tempo. Ronny virou a barata (ou ela se virou?) e ela começou a correr em direção á máquina de lavar, fugindo do gato. Foi aí que eu pisei nela (eca!) com meu chinelo de ficar em casa (eca! eca! eca! #QuiNojinho!).

Aí, eu travei. Fiquei lá, chamando pedindo ajuda do chro e afastando os gatos da metade da barata que saia prá fora do meu chinelo, quase como se eu estivesse em uma daquelas máquinas de casa de jogos, nas quais você tem que bater no jacaré/coelho/whatever que sai da toca. Foi um interminável minuto/minuto e meio, até ele chegar. E aquelas patinhas de barata se debatendo (eeeeeeeeeeeeecaaaaaaaaaaaaaaaa! #QuiNojinho). Bem, eu só tirei o pé depois que o Chro falou que eu podia soltar.

Desnecessário dizer que o chinelo e a meia já estão devidamente separados para lavagem, né?

Agora pensando com mais calma, talvez tivesse sido terrível se os gatos tivessem pego a barata. E se a barata estivesse envenenada, porque algum vizinho tentou matá-la, um dos gatos comesse e acabasse passando mal com o veneno? Acho que eu fiz a melhor escolha 🙂

Remando o barco do sono

 

Éowyn01

Às vezes eu digo que dormir é entrar num barquinho particular, feito de nuvens, quentinho, confortável, aconchegante, que, normalmente, desliza de um modo gostoso, com um leve balanço, que embala os passageiros. É um caminho tranquilo, seguro, prazeroso. Outros dias, no entanto, o barco do soninho passa por turbulências, enfrenta correntezas fortes, tempestades. Aí, não temos aquele sono gostoso e fofinho.

Para mim, é difícil descrever o sono bom e prazeiroso sem o recurso tátil. O sono é macio e fofinho. Ele é aconchegante, gostoso.     Ele tem a temperatura ideal, a temperatura do corpo, nem mais quente, nem mais frio. Mas a sensação de aconchego o torna quentinho. Não estou falando do sono de quando vamos dormir morrendo de cansaço, pensando no dia seguinte, com medo. Mas sim, do sono alegre e despreocupado, de quem teve um dia bom, e está deixando as boas lembranças do dia na memória, para embarcar em uma outra jornada. Nem sei se todo o mundo sente isso. É um sono aconchegante, um momento gostoso e feliz.

Byakko03

About a Dream – Kitten Message

(Apesar do título em inglês, a postagem é em português… Até eu resolver mudar)

Aqui na rua tem um gato, não como na rua da casa que eu morava antes, que tinham vários gatos. Aqui os vários gatos ficam dentro das casas das pessoas, e um único gato está na rua, e chamamos ele de “Street Cat”. Não da simplesmente para adota-lo, já somos 2 humanos desempregados e 5 gatos. A vizinha da frente tem 3, e pelo menos mais 4 casas na rua tem mais de um gato também. Minha sogra pensa em alimenta-lo, mas ela não quer adota-lo oficialmente, porque… hum… porque não. E estávamos conversando sobre ele hoje na hora do almoço e tudo mais e obviamente depois de uma pança cheia, veio a hora do soninho.

Acabei que sonhei com um gato de rua. Primeiro era o Street Cat, depois ele foi embora e veio um outro gato, um lindo filhotinho Marrom, Branco e ROSA! No sonho, ele não era arisco, as pessoas passavam por ele, lhe davam atenção e carinho, mas ele continuava na rua, entre a minha casa, da minha sogra (somos vizinhos) e da vizinha da frente, que além de 4 gatos ainda tem 2 cachorros (um macho e outra fêmea). Em um determinado momento, os cachorros da vizinha cercaram o filhote, mas não para brigar, estavam tentando fazer xixí nele, como que para marcar o território, mas ele não deixou, então eu consegui pegar o gato e ir pra casa da minha sogra, já que estávamos conversando sobre ela adotar um gato de rua.

Na casa dela ele ficou bem a vontade, embora todo o sonho tenha ocorrido com o gato na garagem dela, e a única pessoa dentro da casa era a Lórien. Primeiro eu verifiquei se o tom de rosa na pelagem não era tinta, o que não era, ou pelo menos no sonho eu me certifiquei e tive a certeza de não ser. Depois eu verifiquei se era macho ou fêmea, era um macho, tinha sido castrado recentemente, pois ainda estava com o fio cirúrgico fechando o ponto no saco. Mas tinha um outro ponto cirúrgico na barriga dele que eu não descobri o que era, era apenas um ponto, na altura das costelas, perto de um dos úberes.

Depois de brincar com o gato e verificar todas essas coisas, a Lórien apontou para o meu pé e disse: “Toma cuidado Chronos, seus pés estão cheios de pulgas”. E na verdade não eram só pulgas, mas pupas, ovos, larvas e todo o conjunto. Num ser humano isso não faz nada, mas pra quem tem 5 gatos em casa, isso é basicamente caso para passar por uma descontaminação radioativa. Não nos desesperamos, para um gato de rua, vir com pulgas é a coisa mais normal do mundo. Todos os nossos vieram da rua e tivemos que aplicar anti-pulgas em todos eles, mais de uma vez.

Eu ainda estava sonhando quando me dei conta de que aquilo era uma mensagem. Vamos dizer que a ficha caiu tão rápido que não deu tempo nem sequer de acordar. Alguma divindade bacanuda estava tentando me avisar de alguma coisa, que agora eu preciso quebrar um pouco a cabeça para decifrar o enigma, porque sempre vem em enigmas. O filhote de felino, que embora fosse cor de rosa (ein???) inicialmente era feliz, alegre e saudável, já estava castrado o que era um problema a menos, tinha sido abandonado e com uma incisão a mais do que deveria num lugar suspeito, e ainda estava com pulgas, uma coisa que da noite pro dia se alastra descontroladamente.

Vamos esperar para ver…

Byakko

Quando a Mamma Cat se mudou com sua ninhada para cima do nosso telhado, ela foi com 4 filhotinhos. Ja tinhamos a Messy em casa, e ela precisava de compania, pois não tinha noção de um monte de coisas que os filhotes so aprendem convivendo com outros filhotes. A Lorien queria outra fêmea, e calhou de ter uma fêmea preta na ninhada da Mamma Cat, era a Una. Então, toca eu passar a semana tentando pegar os filhotes e a Mamma Cat do telhado, mas ela era muito esperta, e infelizmente eu não consegui pega-la. Mas peguei 4 gatinhos, entre eles o Byakko.

Inicialmente, era pra ficarmos apenas com a Una, mas o gato fez uma carinha de “Gato de Botas” que nem mesmo eu resisti. Parecia que ele estava implorando para não ser devolvido ao telhado, então, quando a Lórien chegou em casa, a surpresa: “Olha Lozinha, eu peguei a gata preta, mas o macho fez uma cara tão de coitadinho que eu morri de dó, e peguei ele também”.

DSCF4805
E o Byakko “Miu”!

Entradas Mais Antigas Anteriores

Selinho